Como Melhorar SEO ?

Como melhorar o SEO do seu site?

O SEO é tudo aquilo que pode ser feito para que seu site seja encontrado na internet sem grandes esforços. Apesar desse assunto ser bastante complexo, existem várias dicas simples e fáceis que podem ajudar em como melhorar o SEO e, de quebra, ajudar sua empresa a crescer na internet.

Antes de mais nada entenda que o SEO tem forte relação com os resultados de busca dos principais sites. Por que? Pois é ele que te ajuda a parecer nos primeiros resultados de busca do Google e outros sites. Então concordamos que o SEO é fundamental, pois pode ajudar (e muito) no crescimento do seu negócio.

Temos outros posts sobre SEO, você pode conferir um deles aqui.

Confira agora mais dicas simples para melhorar o SEO.

1. Lista de palavras chave é a primeira ação para melhorar o SEO

As palavras-chave nada mais são do que aquilo que as pessoas vão digitar no campo de busca dos principais sites. Sendo assim, desenvolva um cronograma de conteúdo com as principais palavras relacionadas ao seu negócio.

Não fique preso somente ao principal, use conteúdos relacionados ao que você oferece e acompanhe a abordagem de seus concorrentes.

Esse tipo de abordagem leva tempo? Sim, pois conteúdos levam um tempo até propagarem na internet. O mais importante é manter o cronograma de postagens sem desanimar, pois é justamente nesta parte que a maioria das estratégias vai por água abaixo.

2. O conteúdo importa (e muito)

O Google tem várias formas de identificar o que é relevante para um usuário, de acordo com a palavra-chave pela qual ele buscou.

Vamos tratar de várias técnicas, a seguir, que ajudam a melhorar o ranking da sua página, mas o principal é: se o seu conteúdo não for realmente relevante para o usuário, ele nunca mais vai voltar.

Isso quer dizer que você terá perdido tempo em produzir um conteúdo que não vai gerar leads nem clientes.

Além disso, o Google tem formas de tentar “adivinhar” quando o usuário não gostou do seu conteúdo, como vamos tratar mais adiante. Então, conteúdos irrelevantes acabam sendo penalizados nos resultados de busca.

3. Artigos extensos são ótimos para melhorar o SEO

Artigos com menos de 700 palavras? Esqueça!

Embora não haja um número de palavras definido, artigos com menos de 700 palavras quase nunca atingem as primeiras páginas dos resultados de busca. Além do mais, plugins de SEO, como por exemplo, o Yoast também determinam sugestões de aumento no número de palavras em artigos pequenos.

Por exemplo, as 2 primeiras páginas de resultados de busca geralmente apresentam artigos com, no mínimo, 1.800 palavras. Quanto mais você se aprofundar no seu artigo, maiores as chances de alcançar resultados melhores.

4. A cópia de conteúdos é não apenas proibida, como também fatal para seu negócio na internet

Zero tolerância para conteúdos copiados, viu? A penalização é imediata e se dá com o rebaixamento do seu site nos resultados de busca dos principais sites.

Além do mais, a cópia de conteúdo pode te trazer problemas maiores relacionados a propriedades de marcas, direitos autorais, etc.

Tenha paciência e vá escrevendo aos poucos, pois nem adianta tentar enganar os robôs dos mecanismos de busca. Além de perder tempo, reverter a situação depois será muito mais difiícil.

6. Erros gramaticais e estrutura do texto são essenciais para melhorar o SEO

Os erros gramaticais tiram a credibilidade de sua empresa, pois passam a impressão de desleixo e falta de preparo.  Além do mais, os motores de busca também identificam erros gramaticais, que não são bem vistos.

E a estrutura? Também é importante. Conteúdos separados por tópicos (h1, h2) igual este aqui costumam ter resultados melhores, pois a experiência do usuário é melhor. Portanto, nada de textos bagunçados e sem separação de tópicos.

7. Faça parcerias para conseguir backlinks

Quando outros sites indicam seu site, o Google dá uma atenção especial para aquela página, pois entende que o conteúdo é tão bom que outro site fez uma indicação para você.

Conseguir backlink de sites com boas reputação ajuda muito no crescimento do seu negócio na internet, além de várias outras vantagens para o SEO.

No entanto, não se empolgue, pois muitas indicações de sites duvidosos pode não ser bom negócio. Óbvio que quantidade ajuda, mas qualidade também importa.

Sendo assim, foco no networking web para links e recomendações de qualidade!

8. Redirecione seus usuários para sites relevantes e de qualidade

Os principais sites de busca valorizam páginas com links para outros sites, este são chamados de links externos.

A valorização se dá porque um assunto, seja ele qual for, é complexo demais para um único artigo. Com isso, você pode indicar páginas relacionadas a fim de que o usuário descubra outras informações que também são interessantes para a busca dele.

Então não se esqueça de sempre colocar pelo menos 1 link externo em seu site, está bem?

9. Para melhorar o SEO, promova seu próprio site com o uso de links internos

Ao “varrer” uma página, o Google armazena todos os links que existem nela, para depois “varrer” também as páginas linkadas.

Você pode aproveitar essa lógica utilizando em seus artigos links internos, ou seja, links para outras páginas do seu próprio site.

Com isso, você está indicando para o Google que essas outras páginas existem e também são relevantes.

Você também pode se interessar por este conteúdo!

10. Ofereça uma experiência positiva ao usuário para melhorar o SEO

Quanto mais tempo o usuário ficar no seu site, menor a taxa de rejeição de suas páginas e maior a chance de melhorar o SEO.

Só que para isso, a experiência do usuário precisa ser positiva. E isso envolve uma série de fatores, como por exemplo:

Legibilidade, tempo de abertura das páginas, conteúdo organizado e bem estruturado. Fora isso, é bom evitar propagandas e banners em excesso, além de conteúdos visuais muito poluídos.

12. Imagens e o tempo de carregamento

Não se engane em achar que os usuários ficarão esperando a abertura de imagens ou outras informações. Tudo precisa ser rápido e o tempo de carregamento das imagens precisa ser o menor possível.

A hospedagem nessas horas também é muito importante, pois envolve disponibilidade, velocidade e segurança. Portanto opte por uma empresa de hospedagem segura e que seja, de fato, preparada.

13. Utilize a palavra-chave no início do título

Sua palavra chave é o destaque do seu artigo, e, portanto, ela precisa ser abordada o quanto antes. Utilize a palavra chave no título, bem como em sua introdução ao menos 2 vezes.

Não exagere, pois a qualidade da leitura acaba ficando ruim.

14. Utilize a palavra-chave nos tópicos de seu artigo ou blog post

Mais um fator importante relacionado a necessidade de estruturar o texto em tópicos. Além de melhorar a legibilidade, você deve incluir a palavra chave nos seus tópicos (h1, h2, h3..) para aumentar a consistência e relevância do seu post.

Dessa forma os motores de busca entendem que seu texto não é superficial.

15. Por último, não se esqueça de utilizar a sua palavra-chave na URL para melhorar o SEO

A URL é o endereço de chegada até o seu site. No caso de artigos, é indispensável usar a palavra chave na URL, pois assim você aumenta as chances de ser encontrado.

Além do mais não use URL muito longas. Prefira ser curto e objetivo, pois o retorno costuma ser melhor.

E então? Gostou do nosso artigo? Já conferiu nossas promoções de hospedagem de sites?

Até a próxima.

 

melhorar ranking google

Core Web Vitals: tudo o que você precisa saber sobre essa novidade

Os websites estão cada vez mais otimizados, com o objetivo de melhorar a experiência dos clientes. Afinal, se essa experiência for positiva, é bem provável que a empresa consiga garantir um bom relacionamento com o cliente a longo prazo, além de ter um melhor posicionamento nos buscadores por conta do Core Web Vitals

Para verificar a experiência do usuário, a ferramenta do Google já trouxe algumas indicações, mas o Core Web Vitals veio para trazer uma revolução sobre esse assunto, otimizando ainda mais as páginas e proporcionando resultados mais satisfatórios. Confira mais detalhes acerca dessas métricas a seguir!

O que é o Core Web Vitals?

O Core Web Vitals também faz parte de uma iniciativa da ferramenta Google e serve para orientar e organizar os pontos que envolvem uma boa qualidade na experiência do seu usuário e ranqueamento de conteúdos.

O grande fato é que os empreendedores não precisam ser experts em tecnologia da informação ou em programação.

Contudo, eles devem conhecer as estratégias e técnicas que ajudam na qualidade da experiência que seu usuário tem em contato com a marca, alcançados por meio desses buscadores que também desejam apresentar resultados mais satisfatórios a esses usuários. 

O marketing, por exemplo, já trabalha com essas estratégias, seja no ambiente físico ou nas redes sociais, na tentativa não somente de captar novos clientes e gerar vendas, mas também de manter um bom relacionamento com o usuário, contribuindo para sua fidelização. 

É por isso que o Core Web Vitals foi desenvolvido pelo Google como uma ferramenta que ajuda a otimizar e trazer referências simples sobre os pontos que precisam ser melhorados para que a experiência do seu usuário seja cada vez melhor. 

Algumas características do Core Web Vitals são:

  • A ferramenta pode ser utilizada para melhorar todo o site;
  • É possível mensurar os resultados de forma simples;
  • A experiência do cliente é verificada por meio de ações reais;
  • Essa ferramenta pode ser integrada com outras do Google. 

Ou seja, de certa forma é um tipo de técnica que se liga ao Inbound Marketing (ou marketing de atração), porque pensar em estratégias que melhorem a experiência do cliente em contato com seu negócio ou marca também é uma ação que visa atrair o cliente. 

A partir do conhecimento sobre o que é o Core Web Vitals, é importante saber que a plataforma leva em conta três aspectos quando o assunto é a experiência do seu usuário. 

A experiência do usuário em três aspectos 

Ao falarmos sobre o Core Web Vitals não poderíamos deixar de falar sobre três elementos que se relacionam diretamente com a experiência do cliente e que são levados em consideração pela ferramenta.

Primeiro, temos o LCP, que diz respeito ao carregamento da página; bem como o FID, que é a interatividade com a página; por fim há a CLS, que trabalha com a estabilidade visual do site. 

Basicamente, isso representa dizer que seu site precisa ter um bom carregamento entre as páginas, sobretudo, a página principal. 

Imagine acessar um site que tem um carregamento ruim, muito lento ou uma página que só trava, com imagens que mudam de local ou tamanho. 

Sem dúvidas, isso afeta o relacionamento do cliente com a empresa e faz com que ele perca o interesse pelo negócio, podendo prejudicar a credibilidade do empreendimento.

Desse modo, atentar aos aspectos que compõem o Core Web Vitals mencionados anteriormente é crucial para a qualidade da interação e pode ser feita ao considerar alguns fatores da página.

A interatividade, que é verificada pelo FID, por exemplo, é uma métrica verificada a partir de tempo de resposta, ou seja, é uma métrica que depende da qualidade do LCP e, nesse sentido, as páginas precisam contar com um tempo de resposta inferior a 100 milissegundos. 

Além desse tempo de resposta, a métrica refere-se ao tempo que o usuário consegue ter de interação com o site, considerando permanência e demora para a mudança de página ao clicar em algum botão. 

Por fim, a CLS, verifica a estabilidade visual da sua página, conforme mencionado anteriormente, e também trabalha com uma métrica, identificando se esse número está abaixo de 0,1. 

Nesse caso, entende-se a estabilidade pela rapidez com que o layout da página é organizado, por exemplo, de modo que figuras não modifiquem o espaço de ocupação e interfiram na navegabilidade do usuário.

Basicamente, sua página precisa ter, portanto, um bom carregamento, além de ser interativa com o cliente e contar com uma estabilidade visual, que também envolve o uso de cores que respeitem a identidade visual. 

Guia dos indicadores do Google 

Além de identificar esses três elementos, é importante que a página também seja certificada e tenha elementos de segurança para garantir uma confiabilidade por parte do usuário e a preservação dos dados da empresa e desses consumidores. 

O seu conteúdo também precisa ter qualidade e, por isso, as técnicas de Marketing de Conteúdo podem ser essenciais para o seu negócio. 

Essas técnicas trabalham desde o uso da escolha de palavras-chaves que são pesquisadas pelo seu cliente (considerando aspectos de SEO) até um texto que seja bem estruturado e adaptado ao ambiente digital. 

Sua página também deve ser responsiva, ou seja, ser adaptada para os dispositivos móveis, se não, ela começa a perder a importância diante da concorrência quando os buscadores realizam o ranqueamento para determinados usuários. 

Por fim, vale a pena integrar anúncios do Google, com outras ferramentas como do Instagram, Facebook ou Twitter Ads, para alcançar um maior número de pessoas e trazer ainda mais relevância na página – o que impacta na experiência e confiabilidade da marca. 

 

MeshMicrosoft

Reuniões com hologramas? Sim! Conheça o Mesh, a nova aposta da Microsoft

Já imaginou participar de reuniões com hologramas? Pois é. Embora pareça um episódio de Black Mirror, não é. Nesta semana a Microsoft apresentou o Mesh, uma plataforma que promete encontros virtuais em forma de holograma.

A novidade foi anunciada na Ignite, conferência anual digital anual da Microsoft e fez sucesso, principalmente por ter sido apresentado utilizando muitos recursos holográficos.

Reuniões com hologramas começam a se tornar realidade

O Mesh aposta na tecnologia de holoportação. Em outras palavras isso quer dizer que você conseguirá enxergar hologramas de outros usuários conectados no mesmo espaço virtual que você.

Ficou difícil de entender? Bem, caso a resposta seja sim, baixe o Pokemon Go. Sem dúvidas, o jogo vai ajudar você a entender melhor como isso funciona.

Basicamente o Mesh aposta no conceito de realidade mista: Os hologramas misturam elementos da realidade virtual junto com a realidade aumentada. A princípio o Mesh permitirá que os usuários interajam na forma de avatares holográficos, mas o objetivo é aprimorar o serviço a ponto de reproduzir, de fato, a realidade.

Alex Kipman, um dos principais responsáveis pelo projeto, afirmou: “Será possível que os usuários se teletransportem a partir da realidade mista”. Apesar de a ideia ainda ter muito chão pela frente, o momento é oportuno. Com a pandemia, surgiu a necessidade de tornarmos encontros à distância mais reais, além de facilitarmos esse tipo de relação.

Além do trabalho remoto

Quem acredita que este projeto tem foco somente no ambiente corporativista está enganado. A Microsoft tem muitos planos de ampliação para o Mesh. Prova disso é que no mesmo evento a empresa reforçou sua parceria com a OceanX e a Niantic.

Com base nas áreas de atuação dessas empresas é possível concluir que a Microsoft está apostando no universo dos jogos, além de experiências educacionais para crianças e adolescentes. Aliás, existem muitos outros projetos em andamento, inclusive da Microsoft que prometem revolucionar a educação de forma geral.

Entretanto, embora o Mesh traga consigo uma ideia revolucionária, existem vários desafios:

Preço e acessibilidade do Mesh

O Mesh poderá ser utilizado em computadores, smartphones, tablets e até mesmo em óculos de realidades virtuais, mas as experiências mais realistas estarão disponíveis somente nos dispositivos VR, além do HoloLens2. Ambos dispositivos pertencem à Microsoft e infelizmente os preços são muito salgados.

Mas de quais valores estamos falando?

Bem, a fim de entender melhor vale saber que, por exemplo, o HoloLens2, aqui no Brasil, não sai por menos de R$ 15.000,00. Óbvio que no exterior esses produtos são mais acessíveis, pois são os impostos brasileiros que encarecem tanto esse tipo de produto. Ainda assim, mesmo lá fora, eles não são tão acessíveis a ponto de permitir uma rápida popularização.

Quando vai estar finalizado e disponível para o público?

Durante a apresentação, não houve nenhuma informação concreta a respeito do cronograma de lançamento. Entretanto, sabe-se que a Microsoft pretende adicionar suporte para aplicativos que suportam o Mesh num futuro próximo.

Concorrência

Algumas empresas, como por exemplo Facebook e Apple estão investindo em projetos semelhantes que envolvem holografia. Embora poucas informações tenham sido divulgadas, é possível que esses projetos sejam os impulsos para o começo de novas corridas tecnológicas.

Essas mudanças ainda estão longe de se tornarem parte de nossa rotina, mas podem revolucionar o modo como vivemos e nos relacionamos.

Quer ver mais? Confira o anúncio do Mesh no canal oficial da Microsoft no Youtube clicando aqui.

Já conhece a nova rede social Club House? Não? Então acesse esse post e confira mais essa novidade.

Shopping Basket